Curitiba: guia para primeira visita à capital do Paraná

Se eu tivesse que escolher a minha cidade favorita no Brasil, Curitiba estaria entre as principais concorrentes. Já estive na capital do Paraná duas vezes e voltaria de novo sem hesitar para aproveitar uma tarde no gramado do Jardim Botânico ou apreciar o pôr-do-sol em um dos mais de 30 parques e bosques espalhados pela cidade.

O charme da capital paranaense, entretanto, vai além de áreas verdes bem planejadas em meio aos grandes prédios. Com os traços da cultura alemã, italiana, polonesa e ucraniana presentes em cada canto, é possível mergulhar na história, na cultura e na gastronomia dos imigrantes europeus que se instalaram na região a partir do século XIX.

Por alguns instantes, dá até para se sentir fora do país, principalmente se a visita for durante o inverno e o friozinho gostoso já tiver tomado conta do clima (só para tornar ainda mais deliciosa a degustação de comfort foods como uma boa xícara de chocolate quente!).

Não bastasse todo o encanto da mistura entre os costumes tupiniquins e estrangeiros, Curitiba ainda conta com uma programação cultural abundante e eclética. Antes de marcar a data da viagem, sempre é bom conferir a agenda e garantir ingresso para os festivais, shows e eventos que rolam na cidade ao longo do ano. Ou simplesmente se aventure em atrações gratuitas, com os artistas de rua que fazem música e encenações ao ar livre.

Tudo isso faz de Curitiba um destino para famílias, casais em lua de mel, grupos de amigos e também viajantes solo em busca da próxima parada. Para quem se animou e pretende embarcar para o Sul do país, segue um guia básico para uma primeira visita à capital paranaense.

atrações em Curitiba e linha turismo

Curitiba é uma cidade com atrações extremamente fotogênicas e para todos os tipos de público. Enquanto quem gosta de vagar por ruas históricas pode desfrutar um passeio pelo centro da cidade, os viajantes que não resistem a um museu encontram espaços destinados à apreciação de arte moderna ou para relembrar a tragédia do Holocausto. Já os apaixonados por paisagens verdes se esbanjam com o ar puro dos parques e os curiosos se aventuram ao desbravar as tradições e a culinária das colônias imigrantes que dão um toque único à capital do Paraná.

Em uma primeira visita à cidade, não podem ficar fora do roteiro: o Jardim Botânico com sua famosa estufa de vidro, o Museu do Olho com os traços peculiares do arquiteto Oscar Niemeyer, a feira do Lago da Ordem transbordando cultura todos os domingos, a imponente Ópera de Árame criada no meio de uma antiga pedreira, o lúdico Bosque do Alemão onde os visitantes revivem a história de João e Maria e ainda o espetáculo de cores do pôr-do-sol no Parque Tanguá.

Outros passeios que podem ser encaixados na viagem são o bairro italiano Santa Felicidade, a torre panorâmica, o Memorial Ucraniano, o Passeio Público e a Universidade Livre do Meio Ambiente.

A maneira mais prática e fácil de percorrer todos os principais pontos turísticos curitibanos é a bordo da Linha Turismo. O ônibus de dois andares percorre 25 atrações da cidade e permite até cinco embarques ao longo do percurso. O bilhete custa R$ 45 e não tem prazo de validade, o que permite utilizar o serviço em mais de um dia.

Se a estadia em Curitiba for estendida, também é possível ampliar o roteiro para explorar os arredores da capital paranaense. O caminho pode ser percorrido de forma bucólica, a bordo do trem que se embrenha pela Serra do Mar e leva até a pequena cidade de Morretes para saborear um barreado (prato típico local) às margens do rio Nhundiaquara.

A aventura ainda pode incluir uma esticadinha até Paranaguá para pegar a barca e seguir até a Ilha do Mel, um paraíso no litoral do Paraná com 25 quilômetros de praias naturais e onde o único meio de transporte sãs as pernas para encarar as trilhas que descortinam cenários espetaculares no meio da reserva.

Outra rota leva até a cidade de Ponta Grossa para visitar o Parque Estadual de Vila Velha, uma reserva natural com exemplares de formações rochosas geológicas que impressionam pelo tamanho e diversidade de formas esculpidas pelo tempo.

Onde ficar em Curitiba

As principais zonas hoteleiras da capital do Paraná ficam concentradas no Centro Histórico e o bairro Batel. Há ofertas para todos os bolsos, desde hotéis econômicos a hotéis superluxuosos.

O miolo central histórico fica perto de tudo e oferece deslocamento fácil para várias atrações. No entanto, o movimento diminui fora do horário comercial e existem muitos moradores de rua na região, o que traz um pouco de insegurança principalmente à noite.

O bairro Batel é vizinho ao centro, mas tem um panorama mais sofisticado. Reconhecido por uma vida noturna intensa e cheio de bons restaurantes, bares, cafés e opções de compras, o local permite caminhar com mais tranquilidade em qualquer horário. Em contrapartida, os hotéis desta área também seguem o padrão e tem preços mais altos. É uma opção excelente para quem não está com orçamento apertado.

No entanto, se a palavra de ordem é economia, uma boa relação custo-benefício é buscar hotéis na transição da região central para o bairro Batel, garantindo um clima seguro e com preços mais acessíveis. Esse foi o local onde fiquei hospedada na minha última visita a Curitiba e super recomendo, inclusive já indiquei um hotel bom-bonitinho-barato nessa área.

Onde comer em Curitiba

A alimentação em Curitiba é um dos maiores desafios para quem está com dinheiro contado na viagem. As feiras de gastronomia nos bairros são boas alternativas para experimentar a culinária dos imigrantes poloneses, ucranianos, alemães e italianos, sem ter o orçamento comprometido pela onda de gourmetização dos restaurantes.

Não pode faltar uma degustação do pierogi (pastel cozido, de origem polonesa). Procure o trailer do Tadeu, seja na feira da praça Ucrânia (sexta), na feira do Batel (sábado) ou mesmo na feira do Lago da Ordem (domingo).

Outra opção para gastar pouco e desafiar o paladar com os pratos típicos é o Bar Baran. Com referências à cultura ucraniana e lanches típicos do leste europeu, o local também tem no cardápio a tradicional carne de onça (nada mais que carne bovina magra, sem nervo ou gordura, temperada e servida sobre fatias de broa preta) e o pão com bolinho.

Além disso, no inverno, é aberta a temporada do Buffet de Sopas, do fondue e do quentão em Curitiba. Dois restaurantes que oferecem esses pratos sem cobrar caro são o Kanavial e o Happy Burger. Para degustar um pouco da cozinha italiana, os restaurantes Nonna Giovanna, Cantina da Mamma e Casa das Massas oferecem preços agradáveis ao bolso.

As cafeterias são mais uma alternativa para matar a fome na capital do Paraná. Empório Muf’s, Bannofi, Café do Paço e Caramelodrama Confeitaria são apenas alguns locais que oferecem delícias a preços justos. Para mais indicações de restaurantes, lanchonetes, cafeterias e bares com preços econômicos, clique no link.

Transporte público em Curitiba

O eficiente transporte público projetado por Jaime Lerner é uma praticidade para quem viaja sozinho e quer descobrir algum novo ponto da cidade.  Com internet e o googlemaps, dá para planejar a rota e verificar os ônibus para te levar ao destino pretendido.

Apenas fique atento ao seguinte: Se o embarque for em uma estação-tubo, basta pagar o cobrador e embarcar. Agora se o ponto de ônibus for na rua, é preciso comprar um cartão porque não é aceito dinheiro dentro do veículo. O cartão é fácil de achar em bancas e lojas ou você pode pedir a outro passageiro para passar a tarjeta e pagar o valor da passagem para ele.

O ônibus também é uma opção para o trajeto entre a cidade e o aeroporto. O veículo executivo está custando R$ 17 por pessoa (ida e volta) em 2018 e oferece diversas opções de horários a partir das 5h30 até meia-noite. O itinerário abrange grande parte da região central de Curitiba. Confira horários e locais de embarque/desembarque aqui.

Gisele Barcelos

Jornalista por profissão e planejadora compulsiva de viagens. A mesma dedicação que tenho para conseguir um furo de reportagem, também uso para pesquisar sobre novos destinos e roteiros. Amo compartilhar dicas para ajudar quem sonha começar uma aventura, mas não tem ideia de como planejar. Estou sempre em busca do próximo embarque, com uma mala tamanho P e uma playlist caprichada no celular.

Últimos posts por Gisele Barcelos (exibir todos)

2 comentários em “Curitiba: guia para primeira visita à capital do Paraná

  1. Amo Curitiba! E sempre que surge a oportunidade volto feliz da vida.
    Já estive no Kanavial e é muito bom mesmo!
    Não deixe de aproveitar o shawarma que tem perto da rodoferroviária (na rua atrás do Mercado Municipal). É maravilhoso!!

Compartilhe suas experiências de viagem aqui: